rio 2016

O legado olímpico

Se tem uma palavra como carioca que eu mais pude ouvir nos últimos anos foi “Olimpíadas”. A maior parte delas massacrando negativamente a realização deste evento aqui no Rio de Janeiro.

Como morador desta cidade, cabem inúmeras reflexões e visões sobre o assunto, mas se acha que irá ler mais um lamento e nada sobre diabetes está enganado.

Lembro que desde 92, eu me animo em assistir na TV todos os jogos e programações e claro, sempre desejei, como na copa do mundo, participar do maior evento esportivo do planeta.

copa do mundo

Quando recebi a notícia que em 2016 os jogos seriam aqui, sinceramente não comemorei. Minha visão sobre o assunto é bem simples: Não sou contra os jogos olímpicos, mas contra um Estado tão flagelado, sem nenhum incentivo a cultura e muito menos o esporte ser um grande palco de um atração como essa.

Não vou me privar em participar de alguns jogos, pois até comprei os meus ingressos. Não tenho vergonha disso, não torço pelo pior, compartilho o descaso e a “maquiagem” feita para turista ver.

Sobre a vergonha, a coisa está tão feia que realmente falar que você vai a algum evento, gera revolta das pessoas. Mas vem cá, o erro não é meu, correto?

Tá Pablo, mas onde vem o diabetes?

Vem no principal pilar que defendo como professor: EDUCAÇÃO!

Esse é o principal legado, que precisamos construir, que ainda estamos distantes demais de atingir e que precisamos de longe, antes de criticar algo, antes mesmo até de achar graça ou incentivar uma campanha para apagar uma tocha. E nisso até eu próprio erro. Se tornou natural a falta de educação de um modo geral.

Retornando sobre a Bete, quero entrar nos ginásios e não sofrer pela falta de informação e orientação das pessoas com o meu glicosímetro, com as tiras e insulinas. Irei todos os dias com o meu kit da Bete, com a receita médica e espero que não aconteça nenhuma situação constrangedora. 

SEGURANÇA DA OLIMPÍADA CRIA RESTRIÇÕES PARA PESSOAS COM DIABETES

Que comecem os jogos com paz, alegria e Cristo, olhai por nós.

cristo redentor

Mesmo sendo imperfeito que aconteça, que não venha dor, mas que sirva de experiência, aprendizado e que o legado olímpico venha no respeito, na informação e na educação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *